A IGREJA METODISTA

 

Uma visão integral do Evangelho

“Dá-me cem homens que nada odeiem senão o pecado, que nada temam senão Deus e que nada busquem senão almas perdidas, e eu transformarei o mundo em chamas”. Essa frase de João Wesley sinaliza alguns dos pontos principais do pensamento e prática metodistas. São eles: a idéia de comunidade, de grupo (“Dá-me dez homens”); a necessidade indispensável da santidade (“que nada odeiem senão o pecado”); a prioridade absoluta de Deus na vida interior (“que nada temam senão Deus”) e a urgência suprema da evangelização (“que nada busquem senão almas perdidas”). Wesley tinha consciência de que esses quatro itens produziriam profundo impacto não apenas na espiritualidade das pessoas, mas também nas estruturas e sistemas do mundo (“eu transformarei o mundo em chamas”). Na Igreja Metodista, a preocupação é com o bem-estar integral do ser humano. Assim, a Igreja cumpre sua missão por meio das igrejas locais, instituições educacionais, instituições de saúde, pastorais específicas (como as pastorais indígenas, da terra, junto aos encarcerados, junto aos enfermos, bóias-frias, mães sozinhas com seus filhos, toxicômanos, portadores de deficiência, entre outras), além do apoio e integração em movimentos sociais e órgãos afins com a proposta bíblica e cristã.

 

Nossa razão de ser

João Wesley, no início do movimento metodista, no século 18, afirmou que Deus havia levantado o povo metodista não para ser uma nova seita, mas para “reformar a nação, particularmente a Igreja, e espalhar a santidade bíblica por toda a terra”.

 

Nossa Missão

A missão de Deus no mundo é estabelecer o seu Reino. Participar da construção do Reino de Deus em nosso mundo, pelo Espírito Santo, constitui-se na tarefa evangelizante da Igreja (Cânones da Igreja Metodista 2002, p.78)

 

Nossa Organização

No Brasil, a Igreja Metodista organiza-se em oito Regiões Eclesiásticas e duas Regiões Missionárias: Remne – Região Missionária do Nordeste; e Rema – Região Missionária da Amazônia. Cada uma dessas Regiões está sob a supervisão de um bispo ou bispa-presidente. As Regiões possuem distritos, que são grupos de igrejas próximas. As igrejas são conexionais, isto é, atuam em colaboração direta e sob a supervisão de um/a superintendente distrital. O bispo ou episcopisa coordena a vida administrativa e missionária da Região. As decisões são tomadas em concílios, reuniões representativas em que os membros da Igreja definem sua caminhada. Os concílios podem ser locais (de cada igreja), distritais, regionais e nacionais. Atualmente, os concílios locais acontecem ordinariamente uma vez por ano e extraordinariamente quantas vezes for necessário; os distritais uma vez por ano; os regionais de dois em dois anos e o nacional a cada cinco anos. Os bispos e bispas são eleitos para um mandato de cinco anos, nos concílios nacionais, podendo ou não ser reeleitos/as. A Igreja possui, em seu nível clérigo, duas categorias (a partir de critérios acadêmicos): ministério pastoral e ministério presbiteral. As mulheres participam de todas as instâncias da vida da Igreja, sendo que existem pastoras e bispas. Existe também uma ordem leiga, a Ordem do Diaconato, com participação de homens e mulheres. Os/as pastores/as e presbíteros/as são nomeados pelo bispo ou bispa da Região e são itinerantes – podem mudar de igreja. Podemos resumir dizendo que a Igreja é conexional, sendo seu governo episcopal.

 

Nossas doutrinas

A Igreja Metodista orienta-se pelos escritos de João Wesley (Sermões e Notas sobre a Bíblia), pela tradição da Reforma Protestante e do Metodismo Histórico e pelos mesmos documentos que regem o Metodismo Mundial. Em nossos Cânones (que são as leis que regem a Igreja), podem ser encontrados 25 artigos que expressam resumidamente nossas principais doutrinas. O modo de batismo da Igreja comumente é a aspersão, sendo que a Igreja batiza crianças, concedendo-lhes lugar privilegiado na vida e na missão metodistas, como, aliás, recomenda o próprio Cristo nos Evangelhos. Também a Santa Ceia é ministrada regularmente às crianças.

 

Nossas instituições e parcerias

Atualmente no Brasil, a Igreja Metodista possui universidades, escolas de ensino fundamental e médio, além de diversas creches e instituições de atendimento a crianças vítimas de abandono ou violência. No aspecto teológico, possui seminários e faculdades de teologia para a formação pastoral e leiga. Também atua em parceria com organismos que lutam a favor da vida e desenvolve intensa atividade de cunho social e educativo. Possuímos parcerias com instituições de ensino no exterior e igrejas metodistas em diversos países para troca de experiências, investimento financeiro para projetos e atuação missionária, recebendo e enviando recursos e pessoas para tais realizações.

 

Nossa sede nacional

A Igreja Metodista possui uma sede administrativa nacional, na Av. Piassanguaba, 3031, São Paulo. Ali são desenvolvidas diversas atividades relacionadas com a produção de materiais para todas as áreas da Igreja (pastorais episcopais, materiais de educação cristã, editora, site na internet, etc), bem como as ações que visam à expansão da atuação metodista no Brasil.

 

Nossa sede  regional

Estamos na Oitava Região Eclesiástica. Nossa Sede Regional localiza-se em SGAN 906, Módulo B, Bloco A, Sala 102. Nossa região cobre os estados de Mato Grosso, Tocantins, Goiás e Distrito Federal

 

Nossas igrejas locais

Temos diversas igrejas, espalhadas por todo o País. Elas se organizam na dinâmica de “Dons e Ministérios”, que busca integrar as pessoas à comunidade de fé em equipes (ministérios) que somem o potencial de cada pessoa às necessidades existentes no interior da comunidade metodista e no bairro ou cidade em que ela se localiza. A Igreja valoriza intensamente o trabalho dos leigos e leigas (os membros da comunidade). Para se tornar membro, é preciso viver em comunidade, ter uma experiência pessoal com Cristo, conhecer e aceitar as doutrinas e normas da Igreja, ser ativo e dizimista. Isso acontece, geralmente, com a convivência da pessoa na Igreja e sua participação em classes especiais para novos membros. As Igrejas Metodistas promovem cultos dominicais e durante a semana, com estudos bíblicos, louvor, pregações. A Escola Dominical é um dos mais importantes espaços para a educação e formação das pessoas. Diversas igrejas locais já atuam ainda em discipulado, utilizando a estratégia de células ou grupos pequenos para evangelismo e crescimento na fé.

 

Nossa história

A Igreja Metodista começou como um movimento de renovação dentro da Igreja Anglicana da Inglaterra, no século 18, com os pastores Carlos e João Wesley. Este último ficou conhecido, historicamente, como o organizador do movimento, sendo chamado de fundador da Igreja. Mas eles não estavam sozinhos. A Igreja Metodista é fruto de uma experiência comunitária. Para informações detalhadas, sugerimos a bibliografia resumida apresentada no final.

No Brasil, o Metodismo teve um início com a vinda de missionários norte-americanos, em meados do século 19. A primeira tentativa fracassou, pois a guerra civil naquele país minou os recursos para a permanência dos missionários no Brasil. Com a chegada do rev. Newman ao interior de São Paulo, começou a implantação definitiva do metodismo no Brasil. Em 1881, chegou aqui o rev. James Ransom, que fundou o primeiro jornal metodista, que está até hoje em circulação: o Expositor Cristão. A primeira escola metodista foi fundada em Piracicaba, pela educadora e missionária Martha Watts. A Igreja Metodista segue cumprindo a regra de João Wesley no aspecto educacional da missão: “Vamos unir ciência e piedade vital, há tanto tempo separadas”. E também no aspecto social: “O cristianismo é uma religião essencialmente social. Torná-lo uma religião solitária é, na verdade, destruí-lo”. Há mais de 250 anos, procuramos sempre ser uma “comunidade missionária a serviço do povo”.

 

Bibliografia da História Metodista

Heitzenrater, Richard P. Wesley e o povo chamado metodista. São Bernardo do Campo/Rio de Janeiro: Editeo/Bennett, 1996

Dornellas, João Wesley. Pequena história do povo chamado metodista. Lins: Ialim, 2002

Salvador, José Gonçalves. História do metodismo no Brasil. Rio de Janeiro: IM Vila Isabel, s/d

Reily, Duncan A. Momentos decisivos do metodismo. São Bernardo do Campo: Imprensa Metodista, 1991